Artigos

fluxo de caixa pandemia - pessoa fazendo contas segurando uma caneta

Dicas para manter o fluxo de caixa durante e depois da pandemia

A classificação pela OMS do estado de calamidade pública trouxe grandes impactos à população brasileira.

É possível perceber que grandes atitudes tiveram que ser tomadas rapidamente, principalmente pelas empresas que dependiam da presença física das pessoas, tanto funcionários quanto consumidores que adquiriam os produtos e serviços desta forma.

A impossibilidade de contato físico por meio de isolamento social levou a sociedade a uma nova forma de viver, consumir e se relacionar. A tecnologia se tornou a principal aliada das empresas, por tal razão. 

Isso porque, para as empresas que não conseguiram se adaptar ao uso da tecnologia para venda de produtos ou serviços, o fechamento das portas foi o único caminho. 

Assim, a crise econômica por trás da pandemia alertou a todos os empresários, de modo que a preservação do fluxo de caixa passou a ser buscada, questionada e priorizada por muitos. 

Sem um bom fluxo de caixa, a empresa dificilmente conseguirá se manter ativa na ocorrência de um fenômeno inesperado, como vem sendo a pandemia do coronavírus. 

Diante da importância da preservação do fluxo de caixa, elaboramos um conteúdo completo com dicas para você seguir e garantir o sucesso do seu negócio, confira.

O que é fluxo de caixa

Fluxo de caixa nada mais é que a entrada e saída no caixa da empresa.

De forma simplificada, podemos conceituar o fluxo de caixa como o instrumento de controle dos ativos e passivos da empresa. 

Isso inclui os valores que entram, oriundos de vendas dos produtos ou serviços, e o que sai, destinado ao pagamento de despesas fixas e variáveis, ao capital de giro, aos investimentos no negócio, quando necessário, dentre outras finalidades.

Ou seja, para você saber realmente como anda seu negócio financeiramente, é necessário ter uma boa gestão do fluxo de caixa. 

Em um fenômeno inesperado como a atual pandemia, por exemplo, ter uma boa gestão do fluxo de caixa tem sido essencial para os negócios que continuam ativos. 

Qual a importância do fluxo de caixa

Conforme mencionado anteriormente, o fluxo de caixa é um instrumento de gestão de controle das entradas e saídas que viabiliza uma análise profunda da realidade financeira de uma empresa. 

Dentro das etapas de controle do fluxo de caixa, podem ser averiguados:

  1. O saldo de capital de giro;
  2. O saldo possível para futuros investimentos da empresa;
  3. Saldo negativo, se houver;
  4. As despesas fixas e variáveis pendentes e satisfeitas.

Conhecendo a realidade financeira do negócio, será possível tomar as medidas adequadas, tanto preventivas quanto corretivas, por meio de um planejamento empresarial, a fim de que seu negócio não corra risco ou ao menos, seja reduzido ao máximo o risco de fechamento, falência ou recuperação judicial/extrajudicial.

Sem o controle de fluxo de caixa, jamais uma empresa saberá a realidade que enfrenta e, por conta disso, pode sofrer as consequências drásticas de uma crise econômica no país. Não é o que você deseja, certo?

Impactos da pandemia no fluxo de caixa

O marco da crise econômica, decorrente da pandemia do coronavírus, ocorreu com a classificação pela OMS do estado de calamidade pública no país, em março de 2020.

Após a notícia do estado de emergência, o governo federal, em conjunto com os estados e municípios, iniciou a tomada de medidas de enfrentamento da crise, a fim de amenizar os impactos à população brasileira. 

Tanto pessoas físicas quanto pessoas jurídicas foram atingidas, mas é certo que a crise enfrentada pelas empresas foi avassaladora, afetando drasticamente o fluxo de caixa.

O impacto maior diz respeito à queda do faturamento diante da redução do consumo de produtos ou serviços, já que o isolamento social foi imposto pelo governo, a fim de conter a propagação do vírus.

Mas, além disso, foi possível perceber o aumento do saldo negativo decorrente do inadimplemento de fornecedores, parceiros e de consumidores, tendo em vista o efeito gangorra da crise, pois os fornecedores empresas também tiveram seus negócios afetados, assim como a renda dos consumidores que enfrentaram o desemprego, redução de jornada de trabalho ou suspensão de contrato de trabalho. 

Logo, a grande maioria das empresas vem sofrendo com os impactos da epidemia do coronavírus, sendo essencial a tomada de medidas, principalmente inovadoras e tecnológicas, propiciando a sobrevivência do negócio.

Fluxo de caixa durante a pandemia

Diante do exposto acima, percebe-se que o fluxo de caixa é extremamente importante para preservar a empresa a continuar as atividades normalmente.

Assim, tendo em vista que todo tipo de negócio vem sendo afetado pela  pandemia, é essencial que algumas medidas sejam tomadas para a gestão do fluxo de caixa.

Separamos algumas dicas que vão lhe auxiliar nesta jornada.

  1. Se planeje

O planejamento empresarial é mais que importante, é imprescindível para  a preservação do seu negócio. 

Vale para o aspecto financeiro, como para todos os outros setores que compreendem uma empresa: trabalhista, tributário, atendimento ao cliente e outros.

Para manter o controle do fluxo de caixa, busque planejar por inteiro o seu negócio, desde a averiguação dos ativos, passivos e principalmente do capital de giro, que é responsável por suprir uma crise decorrente de um fenômeno imprevisível como a atual pandemia.

  1. Considere reduzir a equipe

Com a necessidade de cumprir o isolamento social como principal medida de contenção do vírus, muitas empresas adotaram o home office, mantendo o emprego e renda dos funcionários. 

No entanto, é recomendável pensar na possibilidade de reduzir a equipe do seu negócio, a fim de evitar que a empresa não consiga arcar com as responsabilidades trabalhistas assumidas.

Uma ideia, para evitar o desemprego em massa, é alterar os tipos de contratos de trabalho dos empregados, adotando, por exemplo, o regime intermitente, que é a contratação de uma pessoa física para prestar serviços mediante pagamento do trabalho efetivamente prestado, não sendo fixada jornada de trabalho. 

Claro que este momento deve ser analisado com cautela, para evitar o descumprimento de direitos trabalhistas. 

Recomendamos que você esteja orientado juridicamente por um advogado especialista, para lhe auxiliar nesta etapa.

  1. Tente reduzir drasticamente os custos

O corte de custos é necessário para enfrentamento da crise econômica. 

Sendo evidente a queda brusca do faturamento do negócio em tempos de pandemia, é importante analisar quais são as despesas que podem ser eliminadas do fluxo de caixa, permitindo que a empresa cumpra com suas obrigações de forma equilibrada com a saúde financeira.

  1. Seja flexível com clientes inadimplentes

Considerando o aumento da inadimplência durante uma pandemia, é importante ressaltar que o atendimento aos clientes e fornecedores fazem parte do sucesso de um negócio, também. 

Recomendamos muita cautela na realização de cobranças de débitos pendentes, para evitar maiores prejuízos com a perda de clientes interessantes ao seu negócio, principalmente os fidelizados.

O momento de crise deve ser observado com empatia e cuidado, sendo recomendável um planejamento para lidar com clientes inadimplentes, de modo que a flexibilização de pagamentos ocorra, auxiliando a entrada de ativos no seu fluxo de caixa.

  1. Estude e aplique técnicas com indicadores de gerenciamento de caixa

O gerenciamento do fluxo de caixa é imprescindível para entender a real situação financeira da empresa, conforme já mencionamos incansavelmente neste artigo. 

E como fazer tal gerenciamento?

Estude e aplique técnicas com indicadores das entradas e saídas futuras, a fim de que seja possível prever quanto deve entrar no caixa e o que deve sair. 

Assim, será possível adotar as medidas adequadas, como negociação de inadimplemento com aplicação de prazos flexíveis, redução de custos, obtenção de benefícios tributários, dentre outras. 

  1. Fique de olho nas notícias sobre incentivos governamentais

O governo editou uma série de normativas para beneficiar empresas no enfrentamento da crise, como a permissão para redução da jornada de trabalho e proporcional de salário, a suspensão de contratos de trabalho por tempo determinado, a alteração de contratos de trabalho presenciais para o home office de forma flexível, e a isenção, redução ou parcelamento de tributos.

Tais benefícios podem ser cruciais para a manutenção da sua empresa e muitas vezes você sequer tem conhecimento.

Um profissional pode lhe auxiliar juridicamente com isso, esclarecendo quais as possíveis medidas a serem adotadas e benefícios eventualmente existentes por conta de normas governamentais.

  1. Consulte um contador

O contador é peça importante para qualquer negócio.

É o responsável por averiguar as entradas e saídas, a fim de calcular impostos e tributos devidos pela empresa.

No momento de crise, é mais importante ainda, já que conhecerá os benefícios, principalmente tributários, em tempos de pandemia. 

Por isso, consulte um contador de sua confiança para auxiliar nesta etapa de planejamento no enfrentamento da crise.

Fluxo de caixa no pós pandemia: dicas para equilibrar

Você já percebeu que mudanças importantes vieram e ainda virão após a  pandemia do coronavírus, não é mesmo?

Muitas medidas adotadas pelas mais diversas empresas serão mantidas após a pandemia, pois demonstraram ser muito vantajosas, em especial à saúde financeira do negócio. 

E não é só. 

A administração criteriosa da empresa se tornou imprescindível, assim como o gerenciamento do fluxo de caixa, que é peça chave para a saúde financeira do empreendimento.

Por tais razões, após a pandemia os cuidados devem ser redobrados. Confira algumas dicas para você aplicar no seu negócio.

  1. Entenda as mudanças comportamentais dos compradores

Com o isolamento social, os e-commerces cresceram drasticamente, a busca pelo delivery também, assim como o exercício da profissão no regime home office.

Tais exemplos demonstram que houve mudanças comportamentais dos compradores que permanecerão e devem ser observadas pelas empresas.

Entender como, porque e quando o comprador adquire um produto ou serviço é essencial para o andamento de um negócio. Sabendo como funciona a cabeça do cliente, o sucesso do empreendimento é satisfatório. 

Considerando que o consumo está consideravelmente digital e, em ao mesmo tempo, os consumidores têm sido mais exigentes, é primordial estudar tais mudanças comportamentais dos possíveis clientes.

  1. Realize uma análise de custos

O planejamento financeiro deve ser realizado pela empresa desde o seu nascimento. 

Significa que é importante realizar uma análise de custos e atualizá-la com certa frequência. 

A redução dos custos é uma medida recomendável em tempos de crise. Porém, averiguar previamente o que é realmente necessário e o que é dispensável, trará grandes benefícios ao seu negócio.

  1. Faça uma avaliação dos lucros reais de seu negócio

Dentre outros fatores, o gerenciamento do fluxo de caixa permite uma avaliação dos lucros reais de cada negócio. 

Ou seja, você precisa conhecer qual é a margem de lucro que tem garantido e qual a expectativa. Somente assim poderá tomar medidas mais assertivas para o crescimento da empresa

  1. Tente continuar utilizando a modalidade home office

O regime home office, conforme já mencionamos em outro momento neste artigo, foi adotado por diversas empresas desde o início da pandemia e, tendo em vista os benefícios a ambos os lados, tem sido mantido. 

Além da economia gerada à empresa, o trabalho home office permite flexibilidade e diversos outros benefícios, como melhoria da produtividade do empregado.

Se possível, analise a possibilidade de manter o home office. Certamente haverá redução de custos com local físico para o exercício das atividades profissionais, garantindo um possível crescimento da empresa.

  1. Elabore um plano de ação realista

O planejamento empresarial deve ser preciso e com as medidas certas.

De nada adianta elaborar um plano de ação que não seja condizente com a realidade da empresa, entende?

Por isso, com auxílio de profissionais especialistas, elabore um plano de ação de acordo com a sua realidade, pois será primordial para que sua empresa enfrente a crise e cresça ainda mais.

  1. Detalhe os gargalos e problemas do negócio

Detalhar os gargalos e problemas do negócio fazem parte de um plano de ação realista.

Ou seja, você precisa entender como está de fato a situação da sua empresa, principalmente averiguando quais são as falhas e quais são os possíveis ganchos que farão com que a crise seja superada.

Como fazer a manutenção do quadro de funcionários com a estabilidade gerada pela redução e suspensão do contrato de trabalho durante a pandemia

Um dos maiores questionamentos dos empresários em tempos de pandemia diz respeito ao medo de não ser possível a manutenção de funcionários beneficiários da estabilidade do emprego, por conta da redução e suspensão de contrato de trabalho.

Este é um ponto relevante, pois os empregados que tiveram seus contratos de trabalho modificados, seja pela redução de jornada ou pela suspensão de contrato, fazem jus a uma estabilidade por tempo determinado.

Porém, o medo dos empregadores vai de encontro com a impossibilidade de serem satisfeitas todas as obrigações financeiras com estes trabalhadores. O que fazer?

A MP 936, convertida na lei 14.020/2020, prevê a possibilidade de redução da jornada de trabalho ou suspensão do contrato de trabalho do empregado. Assim, quando o empregdo retornar às atividades normais, tem garantido o emprego pelo mesmo período do acordo de redução ou suspensão.

Por exemplo, se houve suspensão pelo prazo de 2 meses. A estabilidade provisória será de 2 meses após o retorno.

Ocorre que a legislação prevê, também, a possibilidade de dispensa sem justa causa do empregado durante o período de estabilidade, mediante pagamento de uma indenização que pode ser de 50% a 100% do salário, dependendo se foi redução ou suspensão, além das verbas trabalhistas de direito.

Assim, muitos empregadores têm recorrido a esta possibilidade de pagar indenização após a demissão sem justa causa do empregado estável, sendo menos custoso do que manter o trabalhador. 

Por outro lado, para manter o emprego e renda dos trabalhadores, vale a pena pensar em alterações dos regimes de trabalho que reduzam os custos pelo empregador, como é o caso do home office, do regime de trabalho intermitente, do teletrabalho. 

É preciso analisar cada caso pois, em alguns, a dispensa será necessária e menos prejudicial, mesmo com o pagamento da multa, enquanto em outros, pode ser muito mais impactante no fluxo de caixa.

Por fim, não menos importante, é imperioso que os empresários fiquem atentos às notícias sobre a prorrogação dos acordos de redução ou suspensão, podendo ser aplicáveis em muitos casos para evitar a dispensa do trabalhador.

Ainda tem dúvidas sobre o assunto? Deixe seu comentário, será um prazer lhe orientar.

Compartilhar Notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print
Share on email

Artigos Recentes

Categorias:

Open chat